Os critérios da Transformação Digital

 em Go44, Indústria 4.0, Transformação Digital

Atualmente as empresas enfrentam grandes dificuldades em estar sempre se atualizando e inovando para melhorar seu desempenho, suprir a demanda dos clientes e ter vantagens competitivas no mundo empresarial. Dessa forma, a Transformação Digital surgiu em meio a nova era digital para ajudar e revolucionar a maneira como a tecnologia é criada, gerenciada e consumida.

Em 2016, a MarketsandMarkets estimava que os investimentos em Transformação Digital iriam crescer de US$ 148,04 bilhões para US$ 392,15 bilhões até 2021. No momento as empresas mais valiosas do mundo (Apple, Google, Amazon, Facebook e Microsoft) são todas voltadas para a tecnologia, além de que 75% dos IT Leaders consideram a TI (Tecnologia da Informação) como facilitadora da inovação (COMPUTERWORLD, 2017, p. 4).

Mas afinal, o que é a Transformação Digital?

Pode ser definida como a integração da tecnologia em todas as áreas de negócio, resultando em mudanças fundamentais em como os negócios operam e como entregam valor aos clientes. Com o uso da tecnologia, é possível aprimorar a performance e o alcance das organizações, trazendo uma mudança expressiva das operações comerciais, produtos, processos e da estrutura organizacional. “O uso da tecnologia para melhorar radicalmente o desempenho ou o alcance das empresas” (Westerman, Calmejane e Bonnet, 2011).

Podem-se observar os principais pontos que são analisados na implementação dessa Transformação, também conhecidos como critérios da Transformação Digital:

– Cultura organizacional

– Comunicação da estratégia e alinhamento da organização

– Estrutura organizacional que viabilize a operação ambidestra

– Gerenciamento da transformação digital

– Desenvolvimento de novas capacitações

Sendo assim, a constante inovação é imprescindível para o sucesso de um negócio, nesse viés torna-se essencial a mudança de estratégias e a inserção da Transformação Digital junto às novas tecnologias. Desse modo é possível desenvolver e otimizar a produção, o modelo de negócio, seus serviços, além de atingir mais clientes e mercados.

Referências:

MUNDIM, Camila A.; SIESTRUP, Julia F. G. Gerenciamento estratégico da transformação digital: perspectivas conceituais e estudo de caso de uma grande empresa petrolífera. Monografias.poli.ufrj, 2019. Disponível em: http://www.monografias.poli.ufrj.br/monografias/monopoli10027458.pdf. Acesso em 10 de jan. de 2021.

FERREIRA, Líndice T. Transformação digital: Aplicações e limitações de seu uso em Empresas de Seguro no Brasil. Bibliotecadigital.fgv, 2018. Disponível em:https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/25987/2019_01_21%20Dissertacao.pdf?sequence=3&isAllowed=y. Acesso em 10 de jan. de 2021.

PINÇON, Aurélie C. M. A Transformação Digital das Empresas no Brasil. itlab.poli.ufrj, 2017. Disponível em: http://itlab.poli.ufrj.br/pdf/monografias/2017/MBTi-e/a_transformacao_digital_das_empresas_no_brasil.pdf. Acesso em 10 de jan. de 2021.

Sobre a autora

Bianca Poloni de Souza Lima – Graduanda em Engenharia de Produção pela PUCPR. Atualmente participa do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica da PUCPR, desenvolvendo uma pesquisa sobre a avaliação diagnóstica do Lean Manufacturing sob requisitos da Indústria 4.0 através de métodos MCDA e perspectivas da Interoperabilidade. Também é membro da COMEP Empresa Júnior, Consultoria em engenharia mecânica e produção da PUCPR.

Postagens Recentes

Deixe um Comentário